segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

TABU DO CORPO






Título: Tabu do Corpo
Autor: José Carlos Rodrigues
Editora: Achiamé (Rio de Janeiro)
Estante: Antropologia
Ano: 1983
Edição: Terceira edição
Dimensões: 14 cm x 21 cm
Encadernação: Brochura
Orelhas: Sim.  Contêm divulgação de dois outros livros da editora.
Idioma: Português
ISBN: Não informado.
Páginas:  173 p.
Peso: 240 (gr)
Estado: Bom estado.
Estoque: 1
Cadastrado em: 16.01.2017
Preço:  R$ 10,35 + R$ 5,65 (frete para todo o Brasil) = R$ 16,00

Descrição: Exemplar em bom estado de conservação.  Apenas um pouco amarelado, no miolo e na capa, pela ação do tempo.  Laterais claras, sem pontos de oxidação.  Apresenta alguns sinais de desgaste na parte superior da capa e no canto inferior. Dois arranhados na lombada que aparecem na foto (ver).  Nada que comprometa a integridade da capa, que se acha bem presa. No alto da falsa folha de rosto, alguém pintou um pequeno quadrado preto, para ocultar talvez um preço ou um nome curto.  Coisa pequena que não afeta em nada o bom aspecto do livro. Sem dedicatórias, sem nomes manuscritos, sem riscos, sem sublinhados, sem carimbos, sem marcas de fita adesiva, sem furos, sem rasgos. // Quando vi esse exemplar numa feira do livro, comprei-o, com a intenção de revenda.  E fiz isso porque tenho outro.  Jamais me desfaria desse livro se fosse o meu único exemplar.  A leitura dessa obra, feita já por duas vezes, marcou-me para sempre.  Trata-se de um desses livros que modificam seu modo de perceber as coisas, que ampliam a sua visão e compreensão do mundo.  Compreender que o corpo é menos um objeto “natural” do que social, prenhe de símbolos e simbologia, é um aspecto essencial para o conhecimento de si mesmo.  Entender que, mesmo quando nus, os corpos humanos transmitem significados que indicam a origem e status social constitui uma revelação profunda.  Estudar a questão do nojo, dos rituais relativos ao corpo após a morte física, analisar os aspectos escatológicos, a questão do sagrado e do profano do corpo.  Perceber que há um tabu, um “não dito” a respeito do corpo.  Que a sociedade, ao apropriar-se dos corpos, serve-lhes de espelho e neles também se espelha.  Por fim, ler os corpos, entender a mensagem que conduzem.  A leitura desse livro é fundamental para o autoconhecimento.  Escrito originalmente em 1979, na forma de dissertação de mestrado do autor, na área da Antropologia, obteve desde então inúmeras edições.  A que ofereço é a terceira. Houve ainda várias outras depois, em anos bem recentes, por outras editoras, o que confirma a qualidade e importância do volume. (Ricardo Alfaya)

* Clique sobre as imagens para vê-las com maior nitidez.  Inclusive, para ler os dizeres da quarta capa.

* Você pode comprar por depósito em conta ou transferência bancária. Pedidos: alfayalivreiro@gmail.com

Nenhum comentário: