domingo, 25 de junho de 2017

BREVE ROMANCE DE SONHO





Título: Breve Romance de Sonho
Autor: Arthur Schnitzler (1862-1931)
Editora: O Globo (Rio de Janeiro) e Folha de São Paulo
Estante: Literatura Estrangeira
Ano: 2003
Dimensões: 13 cm x 21 cm
Encadernação: Capa dura com sobrecapa em papel cuchê.
Orelhas: Sim, na sobrecapa. Resenha da obra e dados do autor.
Idioma: Português
Título original em alemão: Traumnovelle (literalmente: “novela de sonho”)
Tradução: Sérgio Tellaroli
ISBN: 85-8966-525-9
Páginas:  96 p.
Peso:  216 (gr)
Estado: Livro seminovo. Sobrecapa conservada.
Estoque: 1
Cadastrado em: 25.06.2017
Preço: R$ 9,80 + R$ 5,65 (frete com seguro para todo Brasil) = R$ 15,45

Descrição: O livro em si se acha seminovo.  A sobrecapa, que é uma peça solta, apresenta certo desgaste, mas está conservada.  Exibo fotos do livro com e sem a sobrecapa.  Sem dedicatórias, sem nomes manuscritos, sem riscos, sem sublinhados, sem carimbos, sem marcas de fita adesiva, sem furos, sem rasgos. // Com apenas 96 páginas e narrativa centrada na figura do jovem médico Fridolin, essa envolvente história encaixa-se melhor no conceito literário de novela do que de romance.  No Brasil, por influência do rádio e da televisão, ficamos habituados a pensar a novela como uma história longa, cheia de tramas e personagens, quando, na verdade, literariamente, essa é a definição de romance.  Novela é, justamente, o que fez Arthur Schnitzler nesse livro, embora o tradutor tenha optado por traduzi-lo como “breve romance”, o que também é pertinente, ainda mais que, além do tamanho curto da narrativa, o duplo sentido da palavra “romance” combina com vários episódios amorosos e sensuais contidos na obra.  O livro é ótimo.  Fui folhear, para buscar elementos para a resenha, e acabei lendo o livro todo em poucas horas.  A estrutura da obra lembra, de fato, a de uma noite de sonho.  Porém, numa certa medida (e é essa medida exata que dá graça à obra).  Nos sonhos, muito frequentemente, sucedem-se episódios e personagens até paralelos à realidade, em meio a outros decididamente absurdos (em aparência), de difícil interpretação.  Schnitzler desenvolve um enredo deveras singular, beirando o impossível, mas não de todo.  Na verdade, a sucessão de acontecimentos, embora improvável, seria possível; assim, a narrativa se torna verossímil e cativante.  O autor sabe despertar o interesse do leitor para o que irá acontecer na trama.  Cenas da memória, com certo clima onírico também, misturam-se a episódios mostrados como reais, mas que bem poderiam ter acontecido em sonho.  E o principal: por meio dessa vertiginosa colagem de acontecimentos, o médico e sua esposa revelam sua intimidade, apontando para questões existenciais com as quais por vezes nos identificamos, em virtude do caráter universal da narrativa.  Ao escrever sobre Nietzsche, Toni Llácer atribui ao filósofo o seguinte dizer: “Tudo o que é profundo ama a máscara.” (Llácer, em “Nietzsche: o super-homem e a vontade de poder”, Salvat, São Paulo, 2017, p. 12).  Se o leitor reparar nos detalhes da ilustração da sobrecapa (ver foto), nela aparecem máscaras e um jogo de sombras.  De fato, as máscaras representam o dionisíaco teatro.  O sonho é uma máscara, assim como as interfaces dos softwares são máscaras.  O poema é uma máscara. Personagens são máscaras dos autores.  E aqui vemos que a essência da máscara comporta uma ambiguidade: tanto serve para proteger e esconder quanto para revelar.  E no fascinante enredo de Arthur Schnitzler, além das máscaras simbólicas, veremos que o protagonista e também alguns outros personagens secundários virão a portar máscaras e fantasias de fato.  Para quem gosta de noite, romance e mistério, esse é um livro imperdível. // Arthur Schnitzler (1862-1931) nasceu e morreu em Viena.  Foi contemporâneo de Sigmund Freud (1856-1939), que, segundo informações da orelha direita da obra, teria hesitado, por longo tempo, em conhecer o escritor.  Isso teria ocorrido em virtude de uma espécie de “temor do sósia”, até que, por fim, resolveu encontrar-se com ele.  Schnitzler foi filho de um eminente médico judeu, diretor do maior hospital de Viena.  Arthur Schnitzler também se tornou médico, exercendo a profissão, durante oito anos, contra sua vontade, até a morte do pai, ocorrida em 1893.  A partir daí, dedicou-se em tempo integral à literatura.  Já em 1895, alcançaria fama como dramaturgo, construindo uma sólida carreira literária, que inclui a produção de inúmeros romances e novelas.  “Breve Romance de Sonho” é uma obra de 1926, em que se baseou o diretor Stanley Kubrick para filmar “De olhos bem fechados”, em 1999. (Ricardo Alfaya)

* Clicando sobre as imagens é possível vê-las melhor.  Inclusive, para ler os dizeres da quarta capa.

* Para comprar por depósito em conta ou por transferência bancária, escrever para: alfayalivreiro@gmail.com

* Para adquirir agora por cartão de crédito, pelo PayPal ou pelo PagSeguro, basta visitar a página da obra no Livreiro Online, clicando neste link.

* Antes de comprar, é recomendável a leitura dos "Termos de Uso" do Alfaya Livreiro, que regerão a negociação.

terça-feira, 20 de junho de 2017

DECLARAÇÕES D'AMOR, antologia poética.






Título: Declarações d’Amor
Autora: Lucília Dowslley (org.)
Observação: Antologia Poética, 25 autores
Editora: Dowslley Editora (Niterói e Rio de Janeiro)
Estante: Poesia
Ano: 2017
Dimensões: 14 cm x 21 cm
Encadernação: Brochura
Orelhas: Sim. Na esquerda, breve comentário da organizadora sobre a proposta da obra. Na direita, lista com o nome dos 25 participantes.
Idioma: Português
ISBN: 978-85-69589-21-1
Páginas:  68 p.
Peso: 140 (gr)
Estado: Novo, lançado em 10.06.2017
Estoque: 1
Cadastrado em: 20.06.2017
Observação 2: Contém pequenas biografias de todos os autores, ao final do livro, com fotos em preto e branco de todos os participantes.
Preço:  R$ 29,85 + R$ 5,15 (frete para todo o Brasil) = R$35,00

Descrição: Livro novo, em perfeito estado, sem dedicatória, sem nomes manuscritos, sem riscos, sem sublinhados, sem carimbos, sem marcas de fita adesiva, sem furos, sem rasgos. //  Embora lançado em 2017, o livro já se tornou uma raridade, pois teve pequena tiragem, que se acha praticamente esgotada. // Sou um dos 25 autores dessa antologia, coordenada por Lucília Dowslley, que também entra como autora.  Cada poeta colaborou com dois trabalhos.  A coletânea reúne conhecidos nomes do cenário da atual poesia praticada tanto no Rio de Janeiro quanto em Niterói.  São poetas atuantes, que participam de saraus nas duas cidades, especialmente no evento “Um brinde à poesia”, promovido por Lucília, há 18 anos, que também acontece em Niterói e no Rio de Janeiro.  E essa é uma antologia temática: todos os poemas, conforme o nome sugere, contêm declarações de amor de todo gênero ou então trazem reflexões sobre o assunto.  Além do tema, confere unidade ao livro o aspecto formal dos poemas: todos são poesia moderna, com total liberdade de expressão; apenas na quarta capa temos um soneto clássico, o belo e popular “Amor é um fogo que arde sem se ver”, do poeta maior Luís de Camões (1524-1580).  Por sinal, mostrado, na obra, numa atraente edição, as letras brancas flutuando em contraste com o vermelho do fogo e do coração ao fundo. Uma expressiva capa com ilustração e projeto gráfico geral de Lucília Dowslley, que também é fotógrafa e artista gráfica.  Seguem os nomes de todos os 25 participantes, em ordem alfabética, que corresponde à de entrada no livro: Alexandra Vieira de Almeida, Ana Cava, Andrea Boaventura, Antonio Sergio Guimarães, Camilla Bacelar, Fátima Borchert, Hani Hazime, Henrique Assunção, Jammy Said, Liliane Balonecker, Lucília Dowslley, Luís Carlos Pontes Melim, Magdala Moreira, Marcya Carriles, Maria do Carmo Bomfim, Micheli Laviola, Neide Barros Rego, Nilza Martins, Rejane Tinoco, Ricardo Alfaya, Rita S. Coelho, Rommeojorge de Lucen, Simone Martins, Tchello d’Barros, Vera Didriksson. (Ricardo Alfaya)

* Clicando sobre as imagens, é possível vê-las melhor.  Inclusive, dá para ler o poema de Camões na quarta capa.

* Para comprar por depósito em conta ou transferência bancária, escrever para: alfayalivreiro@gmail.com

* Para comprar agora, utilizando o PayPal ou o PagSeguro, basta visitar a página da obra em nosso acervo no Livreiro Online, clicando aqui.

* Antes de comprar, é importante a leitura de nossos "Termos de Uso". Clicando aqui, é possível conhecê-los. 
 

sábado, 3 de junho de 2017

REVISTA BRASILEIRA, número 90 (da ABL)






Título: Revista Brasileira, número 90
Editor: Marco Lucchesi
Editora: Academia Brasileira de Letras (ABL)
Estante: Literatura Brasileira
Ano: 2017
Edição: ano VI, número 90, janeiro, fevereiro e março de 2017.
Dimensões: 16 cm x 23 cm
Encadernação: Brochura
Orelhas: Sim.  Nas duas, o histórico da “Revista Brasileira”.
Idioma: Português
ISBN: Não informado.
Páginas: 280 p.
Peso:  534 (gr)
Estoque: Dois exemplares.
Estado: Os três exemplares estão novos, sem uso.
Cadastro em: 03.06.2017
Observação 1: A revista contém ilustrações.
Observação 2: Impressa nas oficinas gráficas da Editora Vozes, Petrópolis-RJ.
Preço:  R$ 59,95+ R$ 10,05 (frete para todo Brasil) = R$ 70,00 (cada exemplar).

Descrição: Exemplares novos, totalmente sem uso.  Revista em formato de livro, com primorosa edição e fino acabamento.  A revista pode ser adquirida na ABL por R$ 85,00 cada volume. Aqui você pode comprar pelo preço promocional acima, economizando, no preço final, incluindo o frete, R$ 15,00, em cada exemplar.  Porém, fique atento: atualmente apenas dispomos de dois exemplares. // O volume contém poesia e prosa.  Sete poetas brasileiros estão nesse número, com cinco poemas e minibiografia: Solange Rebuzzi, Ricardo Alfaya, Alexandra Vieira de Almeida, Hugo Langone, Suzana Vargas, Maurício Cardozo e Ana Martins Marques. Traz ainda a seção bilíngue (em espanhol e português) “Poesia do Paraguai”, com poemas de Jacobo Rauskin e Susy Delgado.  Três artigos curtos em prosa homenageiam o poeta e crítico Ferreira Gullar; são da autoria dos membros da ABL: Nélida Piñon, Ana Maria Machado e Antônio Carlos Secchin.  Apresenta ainda o conto “O último cônsul em Trieste”, de Jorge Sá Earp. A seção “Memória Futura” resgata um interessante artigo, sob o título “Futurismo versus Passadismo”, relativo a uma polêmica conferência do escritor Graça Aranha, pronunciada na ABL; a matéria saiu publicada no jornal “O Paiz”, em 1924. Esse número 90 evoca os cem anos da Revolução Russa de 1917, com quatro textos: a entrevista “Um brasileiro na Rússia?”, concedida pelo crítico literário Paulo Bezerra, também, tradutor de Dostoiévski; o depoimento “Minha revolução”, de Zoia Prestes, que abre com um poema de Bertold Brecht; o ensaio “1917-2017: Cem anos da história da história da Revolução Russa”, por Angelo Segrillo, professor de História, com mestrado em Moscou; por fim, o estudo “Jayme Adour da Câmara, uma bibliografia russa e uma carta tolstoiana”, da autoria de Bruno Barretto Gomide, que é Doutor em Teoria e História Literária, além de professor de Literatura e Cultura Russa na USP (Universidade de São Paulo).  José Pastore faz o “Elogio da obra” de Angela Alonso, Doutora em Sociologia, cujo livro histórico-sociológico “Flores, votos e balas”, relativo à eclosão do movimento abolicionista brasileiro, obteve dois importantes prêmios: o Jabuti e o da ABL.  A revista contém ainda 12 ensaios: “A descoberta de Portugal” (Robert Southey); “Hannah Arendt, 110 anos” (Celso Lafer); “Os estrangeirismos na Língua Portuguesa” (Arnaldo Niskier); “A política externa brasileira e o Oriente Médio: desafios do século XXI” (Cristina Soreanu Pecequilo); “O novo Presidencialismo: uma proposta para o Brasil” (Marcus Vinicius Furtado Coelho); “Pluralismo moral e tolerância religiosa” (Leonardo Barros da Silva Menezes); “O centenário de Zélia Gattai: uma ponte entre Itália e Brasil” (Antonella Rita Roscilli); “Poesia, eternidade e símbolo” (Wagner Schadeck); “Haydée Nicolussi (1905-1970). A formação de uma escritora ítalo-capixaba” (Francisco Aurélio Ribeiro); “Homenagem a Marcos Vilaça” (José Paulo Cavalcanti Filho); “Utopia é ficção” (João Almino); “Um Haroldo de Campos italiano” (Fabrizio Rusconi).  Por fim, além dos excelentes textos, a revista traz a reprodução, em bege e branco, de dez belos trabalhos de artes plásticas do premiado pintor, cineasta, diretor de TV e escritor Rodrigo Gonçalves. (Ricardo Alfaya)

* Clicando sobre as imagens é possível vê-las melhor.

* Para comprar por depósito em conta ou por transferência bancária, você pode clicar no endereço de e-mail adiante e fazer o pedido para: alfayalivreiro@gmail.com

* Para adquirir agora, por cartão de crédito, utilizando o PayPal ou o PagSeguro, basta visitar a página da obra no Livreiro Online, clicando neste link.

* Ao comprar, é importante ler os “Termos de Uso” do Alfaya Livreiro, pelos quais se regerá a negociação. Sobretudo, os sete primeiros tópicos. Lembrando que, objetivando o aprimoramento dos serviços, esses “Termos” podem ser periodicamente modificados e atualizados. Portanto, é recomendável conferi-los a cada nova compra. Para acessá-los, é só clicar aqui.

* Na estante Literatura Brasileira, do Alfaya Livreiro no Livreiro Online, existem também, além de romances, dois números novos da Revista Renovarte, da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro. O acesso direto é obtido clicando-se nesta linha.